5.11.08

Tanto quanto
a noite é uma criança
(um pequeno serelepe)
seus olhos saltam
no seu dizer desconexo
Tanto quanto
há liberdade no seu sorriso
(dentes por entre barba)
o amanhã molda a janela
e fecha a porta na despedida
Tanto quanto
gosto do seu sotaque
(seu inglês é uma canção)
você perturba meu silêncio
para ouvir palavras brancas brandas
Tanto quanto
a cerveja não lhe cai bem
(a asbtinência não é uma cachaça)
o gosto de cream cracker com gergelim
é forte demais pra ser apenas adeus.

Um comentário:

Caio disse...

Lindo poema. è muito legal ver as pessoas dos blogs que a gente visita evoluírem a passos largos, e certamente esse é o seu caso, muito bom mesmo! Gostei tambe´m da nova foto do template.

bjo!