24.10.07

vento traz, chuva leva


“...ahh, e agora, você passa, eu acho graça,
nessa vida tudo passa, e você também passou...”


aquele amor era amor. acabou
a paixão arrebatava. evaporou.
o tesão sufocava. brochou.
o pensar todo dia naquela voz. fugiu.
caminhar de peitos dados. correu.
a presença da ausência alargava. desapareceu.
a mágoa do não. foi embora.
havia dormência. transbordou.
a necessidade dele. passou.

nada fica, fica nada.

eu (,) rio.

7 comentários:

Angelica disse...

Sei bem como é isso!! Muito boa maneira de dizer... a fila andou!!rssss

JU disse...

ÔOO!!...
Num pó falá!... Hehehe!
;)

Mi disse...

meninas, meninas!
o que eu faço com vcs que me conhecem demais?? huahuhuauha

num pófalá, só pósentí! =D

Caito disse...

E tudo passa, tudo passaraáaaaaaaaaaaaaa...
e nada fica, nada ficaraaaaaaaaaaaaaa!
Muito bom, muito bom, só deve ser triste ter um desses dedicados pra si!
Bjo

Anônimo disse...

Por que os sentimentos estão tão banalizados?
Não há a valorização do outro, do sentimento belo como o amor, se é que houve nesse caso.

Tudo passa...nada fica...a não ser o vazio da ausência...

Milene disse...

e a banalização de pensamentos?
e a banalização de opiniões??
aff...

Anônimo disse...

Admiro-me de que este seja o seu sentimento.
Infelizmente, não consigo dissociar a escritora do eu-lírico...

tudo passa...o que fica?