25.9.07

Cauda de doce de leite


,gato escondido com o rabo de fora, sabe? É, ele fica atrás da porta, pensando em rebeldia, não quer mais seu dono, mas aí vem um miau interno e lembra a ele que tem jeito não, ele gosta do dono tanto quanto do sofá velho cheio de fiapos. (Porque gato não é cachorro, gato se questiona.) E aí ele coloca o rabo na fresta e balança: quer ser descoberto pelo dono e colocado no colo. Pronto: todos os gatos que me arranhem agora, eu revelei o segredo deles.

Ela tava lá, tentando. Jurava que tava tentando, j u r a v a (com dedos cruzados). Todas as vezes que ele olhou lá dentro da mancha da íris dela, ela não disse ai, ela virou a cara, ela deu de lado. Ela tava tentando. E quando ele a abraçava, ela não dizia ai, ela segurava a respiração e inventava que tava com sede e ia buscar água na cozinha. Um dia percebeu os longos cílios dele e não disse ai, se concentrou em palavras apenas, a penas descritivas. Ele ficava naquela: sempre com uma sensação esquisita de que ela ia dizer algo. “Fala, Una, fala.”
Mas eu não disse ai. Liga a música.

Viu? Ela tava tentando, com força. Ele achava que tinha algo a mais na cabeça e no peito dela mas ela estava lacrada feito biscoito sem fitinha vermelha de abertura. Tava mesmo tentando salvar o recheio. Teve um dia, é, um dia que pra completar tava sol, que eles ouviram uma música diferente no carro. Diferente, bateu diferente pra ela. Pra ela, percebe? Por isso ela tava tentando.

Ontem, subiu um quase vômito (de ar) na garganta de Una quando ela soube que a elegância dele é a mesma com várias pessoas e se chama elegância mesmo. O pior não foi saber, foi essa merda de quase vômito.

Quase vômito significa no dicionário sentimental-brega: ele já tá com a faca na mão e tá chegando perto do queijo. Ela tava tentando não sentir ai, não lembrar dele na hora do travesseiro mas... Ela tava tentando, mas ainda ontem cortou contato com ele por um tempo pra salvar o recheio de doce de leite. Ele notou mas nem perguntou porquê (ele já sabe das sandices dela). Una se disse ai. Ela está com o doce de leite derretendo dentro do pacote.

,gato escondido com o rabo de fora, sabe?

5 comentários:

Angie (ex-aarquiteta por tempo ideterminado) disse...

Sei como é isso... o problema de todas as Unas é pensar demais. As realidades nao são as mesmas, as vidas correm em tempos diferentes... isso já explica o fato dagente sempre esperar alguma coisa do outro e ele nao corresponder. Vivemos sob a mesma realidade, mas em dimensoes diferentes. É isso, acho!! :(

Sweet Pimenta | Milene Portela disse...

angie, (ex-arquiteta por tempo indeterminado foi ótimo... rsrs)

será que o problema de Una é pensar demais ou as pessoas à sua volta sentem de menos? (eu tenho que defender a personagem, ora bolas!!)

as dimensões diferentes são um fato, o que resta pra Una é achar alguém que esteja, pelo menos, numa dimensão parecidinha com a dela. ;)

e que coloque o rabo na fresta tbm, uai.

Luiz Coelho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pedro Carné disse...

E o seu post no Extamente, quando virá?? Para seu governo, (rs), os filósofos sabem muito sobre legos!!! rs... Bjs!!

Luiz Coelho disse...

O rabo a mostra denuncia o movimento necessário para o equilíbrio do instinto. O animal precisa do rabo que o denuncia mas não o PERMITE cair. Apoio, o rabo a mostra sempre denota apoio.